R. Funchal, 418 – 34º e 35º andar - Vila Olímpia - São Paulo
(11) 99380-4069 ou (11) 3521 -7389

O 6º CONAEDU tem a tradição de homenagear todo ano uma personalidade humana que tenha se destacado no campo temático que cada edição busca desenvolver. Neste ano de 2020 queremos homenagear uma brasileira que marcou profundamente sua geração e as demais gerações que com ela conviveram, pela generosa dedicação às causas e aos movimentos sociais de apoio às crianças, aos adolescentes, aos jovens, seja pelas campanhas realizadas e criadas por ela como a Pastoral da Criança em 1983, seja ainda na luta pelos refugiados e pela defesa da medicina, da alimentação, da nutrição básica para todos. Esta brasileira viveu uma vida dedicada aos mais pobres e aos desvalidos do mundo e morreu no Haiti em razão de um desabamento causado por um terremoto em 1998. Trata-se da eminente brasileira, a médica ZILDA ARNS (1934-2010), pediatra e sanitarista que dedicou toda sua existência à causa dos marginalizados, à emancipação dos excluídos e ao cuidado de todos aqueles que não tiveram as condições educacionais e sociais para sua humanização e desenvolvimento ético e educacional.

 ZILDA ARNS (1934-2010)      BIOGRAFIA

ZILDA ARNS foi médica, pediatra e sanitarista, e foi escolhida pelo Conselho Curador do V CONAEDU, neste ano de 2020, como a pessoa que deveria ser lembrada e homenageada. Esta médica brasileira nasceu em Forquilhinha SC, filha de migrantes e agricultores alemães, e teve igualmente um irmão muito conhecido no Brasil e no mundo, o Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, destacado defensor dos Direitos Humanos nos anos trágicos da perversa ditadura militar do Brasil. Cresceu na vida do campo, casou-se com um marceneiro e teve seis filhos. Formou-se em Medicina, com especialização em Pediatria e Saúde Pública e Medicina Sanitária na Universidade Federal do Paraná, para onde sua família tivera mudado. Criou em 1983 a Pastoral da Criança, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), um programa de atendimento primário de acompanhamento nutricional e alimentar das crianças da periferia, que se tornou conhecido no Brasil e depois no mundo todo, salvando a vida de milhares de crianças nos primeiros anos de vida. Por este trabalho à frente deste projeto, ao qual dedicou 25 anos de sua vida, recebeu a indicação para o Prêmio Nobel da Paz em 2006.

Dedicou-se a formar pessoas em muitos países do mundo, passando pela Europa, Asia e África. Esteve no Timor Leste e ali implantou a Pastoral da Criança salvando a vida de mais de 6 mil crianças. Numa de suas viagens, efetuada para realizar uma palestra em Port-Au-Prince, no Haiti, na Igreja Sacré Coeur, enquanto respondia perguntas a cidade foi abalada por um trágico terremoto que lhe custou a vida, no dia 12 de janeiro do ano de 2010. Sua morte causou comoção nacional sendo destacado por pessoas do mundo inteiro que reconheciam a originalidade, solidariedade e grandeza de seu trabalho social, comunitário e assistencial. Um pensamento, entre os muitos ensinamentos de ZILDA ARNS, nos inspira nesse momento:

Amar é acolher, é compreender, é fazer o outro crescer. As crianças, quando estão bem cuidadas, são sementes de paz e esperança. Não existe ser humano mais perfeito, mais justo, mais solidário e sem preconceitos do que as crianças. (ARNS, Zilda. 2006)

Que essa generosa médica brasileira, que dedicou sua vida ao cuidado das crianças e à promoção à equidade para todas as pessoas, seja a inspiração para alcançarmos um mundo melhor, sustentável e justo, no qual haja lugar para todos e todas as pessoas.

Professor Doutor Cesar Nunes (CURADOR)

26/03/2020